Web Content Display Web Content Display

Tendencias

Asset Publisher Asset Publisher

Asset Publisher Asset Publisher

Back

10 etapas de implementação de um programa de treinamento corporativo

10 etapas de implementação de um programa de treinamento corporativo

Entre os diversos impactos da transformação digital nas empresas, um dos mais importantes é a nova forma como elas enxergam e executam o desenvolvimento interno de seus profissionais. Nesse cenário, o programa de treinamento corporativo deixa de ser visto como um custo, passando a estratégia obrigatória para a manutenção de talentos, o aumento da produtividade e a ampliação da competitividade do negócio. Esse programa é de responsabilidade do time de Treinamento e Desenvolvimento (T&D), que faz parte da área de Recursos Humanos (RH) da empresa. O objetivo é estruturar como devem ser feitos os investimentos em capacitação e no preparo dos funcionários, maximizando seus resultados. Já podemos adiantar que o sucesso do programa depende de diversos fatores, como da adequação do conteúdo ao perfil dos funcionários, dos objetivos estabelecidos, dos indicadores usados para a avaliação dos resultados, dos métodos efetivamente adotados e, principalmente, do preparo e da expertise do time responsável. Seja para organizar eventos de capacitação presenciais ou gerenciar uma plataforma de aprendizado contínuo para diversas filiais de uma organização, o time terá que lidar com muitos desafios que podem comprometer seus resultados. Por isso, o ideal é que essa equipe seja composta por especialistas. Pensando em tudo isso é que resolvemos criar este guia completo com tudo o que você precisa saber sobre como criar e implementar um programa de treinamento corporativo na sua empresa. Acompanhe nosso passo a passo para garantir todos os benefícios dessa prática!

1. Crie uma cultura de aprendizado

Uma das principais dificuldades do time de T&D está em manter os profissionais em treinamento e capacitações oferecidas. Isso acontece por uma série de fatores, como o uso de métodos inapropriados, a falta de divulgação dos eventos e um mindset de que treinamentos que acabam atrapalhando a rotina de trabalho. Ao adotar uma cultura de aprendizado, em que os treinamentos não são vistos sob a perspectiva desse mindset, mas sim como uma parcela importante para o desenvolvimento das habilidades dos profissionais, os resultados do programa se tornam significativamente mais efetivos. Para criar essa cultura, é necessário entender e incluir alguns pontos em seu programa de treinamento corporativo. Confira todos eles a partir de agora!

O incentivo começa com os líderes

Seja qual for o tamanho ou o ramo de atuação da empresa, os líderes e gestores devem servir de exemplo para o time. Quando as lideranças não acreditam na educação corporativa e na importância do desenvolvimento interno, dificilmente apoiam seus funcionários nesse processo, prejudicando sua participação e seu apoio. Antes de mais nada, portanto, é necessário mostrar para essas pessoas a importância da cultura, usando-as como incentivo para os demais colaboradores.

A divulgação é essencial

Os treinamentos e as capacitações precisam ser divulgados corretamente e com a devida antecedência para que os funcionários consigam ajustar suas rotinas. Use canais como TV corporativa, e-mail, newsletter, painel de avisos e até mesmo os líderes. E ainda vale lembrar que a participação é estimulada quando o conteúdo é atrativo e interessante.

O planejamento ajuda a evoluir

Quando o programa de treinamento corporativo não é bem planejado, fica difícil mantê-lo funcionando por muito tempo ou conseguir ofertar opções interessantes para os funcionários. Por isso, trate de traçar objetivos claros para cada ação, bem como elaborar (e seguir) um cronograma de execução. Inclua incentivos que mantenham os colaboradores participativos, como certificados de conclusão de curso e bonificações.

Os feedbacks são sempre bem-vindos

Outro ponto importante para a criação de uma cultura de aprendizado é a coleta de feedbacks dos participantes. Essa prática mostra que o programa é feito pensando realmente neles, que sua opinião é importante. Também ajuda a melhorar as decisões, recebendo insights de novos conteúdos e formatos que podem ser mais eficientes, assim como pontos que podem ser melhorados dentro do que já é feito.

É preciso ter foco e consistência

O ideal é estabelecer uma consistência no desenvolvimento dos profissionais por meio do programa. Para isso, é preciso acompanhar de perto os resultados, entender os feedbacks e atualizar cursos, processos e estratégias.

2. Atualize seu Levantamento de Necessidades de Treinamento (LNT)

Outro dos fatores responsáveis por criar uma boa cultura de aprendizado é o planejamento do programa de treinamento corporativo, que deve começar com um processo de Levantamento das Necessidades de Treinamento (LNT) da organização. O LNT consiste na realização de um diagnóstico detalhado da atual situação da empresa, trazendo lacunas de desenvolvimento, habilidades e competências. Ele também identifica os métodos e as práticas ideais para promover uma mudança de cenário. Para isso, o time de T&D começa com o entendimento da missão, da visão e dos valores da organização, bem como com seus objetivos a curto, médio e longo prazos. Com isso em mente, a equipe avalia cada área e colaborador do negócio, entendendo seus processos e os pontos que podem ser melhorados com o programa de treinamento corporativo. Na prática, o time de T&D deve fazer entrevistas com os líderes para compreender os problemas e as necessidades de cada área. Questionários e grupos de discussão também podem ser usados com os demais colaboradores, levantando informações para deixar o conteúdo centrado nos funcionários e em suas demandas. Também devem ser definidos os indicadores afetados pelo T&D, como produtividade, inovação tecnológica, qualidade de vida, satisfação com o ambiente e retorno sobre o investimento, entre outros. Esses valores devem ser mensurados e acompanhados de perto a fim de se compreender os resultados do programa.

3. Considere o perfil dos colaboradores

Um dos principais erros em treinamentos é não considerar que cada profissional tem necessidades distintas de desenvolvimento. O ideal, portanto, é que o conteúdo apresentado leve em conta todos os perfis existentes no quadro da empresa para alcançar a eficiência desejada e ser atrativo para os colaboradores. Pensando nisso, ao realizar o LNT, é necessário incluir no questionário perguntas que levantem o perfil dos funcionários. Afinal, como os estilos de aprendizado também são diversificados, é preciso identificar quais estão efetivamente presentes na empresa, devendo ser englobados no planejamento. Para isso, vale a pena avaliar as diferenças geracionais existentes no quadro de funcionários. Já parou para pensar que as novas gerações, como os famosos Millennials e a geração Z, pessoas nascidas entre 1983 e 1994 e 1995 e 1999, respectivamente, já são maioria no mercado de trabalho? O detalhe é que esses profissionais apresentam necessidades diferentes em termos de aprendizado e plano de carreira. De acordo com o estudo Meet the modern learner, feito pela Bersin, esses colaboradores estão cada vez mais impacientes, distraídos e sobrecarregados. Por isso, é fundamental procurar por novos tipos de treinamento que se adaptem a suas necessidades e facilitem o processo de aprendizado! Considerando essas características, é necessário adequar os formatos e as metodologias de ensino usados para o projeto de educação corporativa. Variáveis relacionadas à rotina de trabalho também devem ser consideradas, como o tipo de função, o horário de performance e as atividades fora da organização.

4. Avalie as tendências do mercado

Além do perfil dos colaboradores, o time de T&D deve entender e conhecer as principais tendências em educação corporativa para criar um programa de treinamento eficiente e moderno. Confira a seguir alguns exemplos de tipos de treinamentos que têm se destacado no mercado!

Educação digital

Começando com a principal tendência do mercado, a educação digital consiste no uso de plataformas, aplicativos e ambientes online para promover treinamentos para os funcionários. Com esse suporte, eles podem acessar os conteúdos quando acharem melhor, adequando o aprendizado a suas necessidades. São muitas as vantagens da educação digital no ambiente empresarial. Para começar, ela elimina a necessidade de um local para a realização de treinamentos, bem como toda a infraestrutura envolvida aí, o que reduz custos. Além disso, é mais atrativa para os profissionais atuais, cada vez mais conectados e acostumados com o ambiente digital.

Realidade virtual e realidade aumentada

Em alta no mercado de educação corporativa, a realidade virtual permite a criação de simuladores para ambientes em 360º, em que os funcionários podem interagir e absorver estímulos de aprendizado. Já a realidade aumentada usa a tecnologia 3D para a produção de materiais que mostrem elementos virtuais no ambiente real — como no jogo Pokémon Go. Dessa forma, os funcionários podem visualizar processos de forma mais dinâmica, aproximando-se de sua realidade, o que aumenta a absorção de conhecimento.

Edutainment

O Edutainment é uma metodologia que usa elementos do entretenimento em processos educativos, com o objetivo de aumentar o engajamento, o interesse, a motivação e o aprendizado dos participantes. A prática já é muito usada em escolas e tem ganhado destaque no meio corporativo. Alguns exemplos práticos são o uso de filmes, séries, workshops, criação de jogos e materiais impressos interativos. Opções tecnológicas também são interessantes, como chatbots, plataformas digitais, webséries e aplicativos mobile.

Microlearning

Outra tendência importante que pode ser usada em um programa de treinamento corporativo é o microlearning ou as chamadas pílulas de aprendizado. Esse método divide conteúdos em pequenos componentes de ensino, permitindo que o aprendizado seja feito de forma rápida, em apenas alguns minutos. A prática é importante para as empresas se adequarem à realidade dos colaboradores. O estudo Meet the modern learner, desenvolvido pela Bersin, indica que cada funcionário tem apenas 24 minutos semanais para se dedicar aos estudos. Levando isso em conta, fica bem mais fácil entender por que treinamentos longos não são tão eficientes quanto o microlearning.

Gamification

Por fim, temos a gamificação, tendência mais conhecida e usada atualmente. Nesse modelo, são adotados elementos de jogos e projetos lúdicos para aumentar a eficiência e a atratividade dos treinamentos. A prática pode ser feita em plataformas digitais, aplicativos, páginas responsivas e até mesmo de forma presencial.

 

O objetivo é estruturar como devem ser feitos os investimentos em capacitação e no preparo dos funcionários, maximizando seus resultados.

5. Estruture sua estratégia para o programa

Agora que você já tem todas as informações do seu LNT, conhece o perfil dos colaboradores e está familiarizado com as principais tendências em métodos de ensino, é o momento de tomar decisões para efetivamente estruturar seu programa de treinamento corporativo. O time de T&D deve estabelecer, por exemplo:

• as necessidades a serem priorizadas;

• os conteúdos que serão apresentados;

• a ordem dos treinamentos e eventos de capacitação;

• os tipos e métodos de treinamento que serão usados;

• os funcionários que participarão de cada evento;

• os indicadores de acompanhamento de resultado;

• o cronograma de implementação do programa;

•  as pessoas responsáveis por cada atividade;

• o período do ciclo de avaliações;

• o momento de otimização do programa. Alguns dos itens necessários em sua estratégia serão discutidos a seguir, facilitando esse processo de decisão. Lembrando que todas as escolhas devem levar em consideração os objetivos da organização e o orçamento da área, maximizando os resultados do programa.

6. Defina metas de resultados e aprendizado

Todo programa de treinamento corporativo eficiente tem metas de resultados e aprendizado, acompanhadas por meio de indicadores do ambiente de trabalho e avaliações feitas pelos próprios funcionários.

Indicadores de T&D

Os resultados do programa podem ser acompanhados por meio de Key Performance Indicators (KPIs) ou, em português, indicadores-chave de performance. Sua seleção é feita de acordo com os objetivos estabelecidos no programa. Os mais usados são:

 produtividade dos funcionários;

• nível de desenvolvimento;

• satisfação com o ambiente de trabalho;

 percentual de profissionais treinados;

• eficácia do treinamento;

• retorno sobre o investimento. Os indicadores ajudam a entender se o programa está atingindo os resultados esperados ou se é necessário realizar mudanças na estratégia.

Avaliação de treinamento

As avaliações têm o mesmo objetivo macro que os indicadores, mas ajudam a compreender como os métodos e tipos de treinamento usados estão sendo vistos pelos funcionários e se os resultados esperados de desenvolvimento estão realmente sendo alcançados. Para tanto, são usados testes de conhecimento, sejam escritos ou de múltipla escolha. Essas avaliações devem ser aplicadas ao final do treinamento ou ao término de cada módulo de conteúdo. Elas também podem ser usadas para determinar se o funcionário está qualificado ou se precisa retomar o estudo, realizando o processo novamente. Além disso, é indicado o uso de formulários de feedback, aplicados após o treinamento, seja em papel ou em formato digital. Essa iniciativa permite que os funcionários indiquem pontos positivos e negativos sobre o conteúdo, o método utilizado, a infraestrutura, a avaliação e quaisquer outros elementos do programa.

7. Entenda a questão de infraestrutura

O T&D também deve lidar com todas as questões técnicas e burocráticas relacionadas à execução do projeto. As tarefas variam de acordo com os modelos de treinamento usados, se serão feitos de forma presencial ou digital.

Treinamentos presenciais

Quando a empresa opta por um programa só com treinamentos presenciais, as principais atividades a serem realizadas são:

• seleção de palestrantes e professores;

 produção de material de apoio;

• escolha do local;

• levantamento de todos os equipamentos necessários — microfone, extensões, tomadas, computadores e o que mais for preciso;

• time necessário para a execução dos treinamentos;

• produção do material de divulgação;

• execução da divulgação;

• orçamento.

Treinamentos digitais

Já as empresas que optam pela educação digital para seu programa de treinamento corporativo precisam se preocupar com outros itens de infraestrutura. Entre eles, podemos citar: • definição do modelo de sistema de ensino — plataforma digital, aplicativo mobile ou página responsiva, por exemplo;

 escolha do desenvolvimento, se interno ou externo;

 produção de conteúdo para o ambiente digital;

• cronograma de desenvolvimento e implementação do sistema escolhido;

• produção de material de divulgação;

 execução da divulgação;

 time necessário para manter e gerir o sistema;

 orçamento.

Atividades presenciais e digitais

Por fim, muitas organizações optam por unir os 2 formatos, criando um programa que envolve tanto treinamentos presenciais quanto o uso de um ambiente digital para o desenvolvimento de seus funcionários. Esse é considerado o melhor modelo, uma vez que facilita a criação de um programa completo, que atende as necessidades e preferências de todos os funcionários. Além disso, o formato digital ainda facilita a criação de uma cultura de aprendizado contínuo na organização. Nesse caso, será necessário se preocupar com todo o processo de desenvolvimento e implementação da plataforma, bem como com as atividades necessárias para viabilizar os eventos presenciais. Por isso, é fundamental ter um time competente!

8. Implemente seu programa de treinamento corporativo

Agora que o time de T&D tem uma estratégia bem definida e entende todas as atividades que devem ser feitas para colocar o plano em prática, é o momento de começar! A implementação do programa de treinamento corporativo deve seguir o cronograma estabelecido. É importante se certificar de que todo o time está alinhado e entende bem suas responsabilidades, bem como seus prazos de entrega. Reuniões são sempre bem-vindas nesse momento. O acompanhamento pode ser feito de forma semanal ou quinzenal, dependendo da quantidade de atividades previstas para o período. No começo, é recomendado organizar mais encontros para evitar imprevistos e erros que comprometam o programa. Um processo de implementação bem estruturado e devidamente acompanhado permite saber se o planejamento foi adequado ou se é preciso fazer alterações em prazos e atividades.

9. Faça a otimização do programa

Uma das etapas do programa deve incluir a otimização de sua estratégia por meio da avaliação de seus resultados, sejam eles parciais ou finais. O ideal é que as escolhas sejam otimizadas com base em dados. Por isso, é necessário avaliar os indicadores estabelecidos no planejamento, bem como as avaliações de treinamento, os feedbacks e uma nova atualização do LNT.

Indicadores

O uso dos indicadores é o primeiro passo, acompanhando a evolução dos números e comparando cada um deles com a previsão feita no planejamento. Essa análise permite identificar se os valores previstos foram alcançados ou se será necessário fazer mudanças no programa.

Avaliações

As avaliações também devem ser usadas nesse momento, uma vez que impactam diretamente nos indicadores. Afinal, quando um treinamento não é bem absorvido, os níveis de produtividade e de conhecimento tendem a ser os mesmos, certo? Pode-se, novamente, comparar a realidade com o previsto para promover os ajustes necessários.

Feedbacks

As informações dadas nos feedbacks são cruciais para o processo de otimização das decisões. Com elas, é possível chegar a diversas conclusões, como:

 o conteúdo está raso e pode ser melhorado;

 o local de treinamento não é agradável para todos;

 a plataforma usada não é dinâmica, precisando de ajustes;

 as avaliações são muito complexas e podem ser atualizadas;

• a qualidade do material de apoio é ruim;

 os horários de execução estão comprometendo a participação. Coletados, todos os feedbacks devem ser analisados. A partir daí, um processo de classificação permite identificar quais são mais recorrentes e precisam de maior atenção. Com isso, é possível priorizar as melhorias e os investimentos da área.

LNT

Por fim, ao final do programa de treinamento corporativo, é indicado atualizar o LNT novamente. Nesse momento, serão identificados os novos níveis de desenvolvimento, com o preenchimento das lacunas anteriores e, provavelmente, novas defasagens que precisam ser eliminadas. Como a ideia é criar uma cultura de aprendizado contínuo, essa atualização deve ser feita de forma periódica. As novas informações ajudam a otimizar o programa inicial e a criar novos objetivos, métodos e atualizações na estratégia, garantindo o melhor retorno do novo investimento.

10. Invista em uma parceria de sucesso

A essa altura, está mais que evidente que estruturar, implementar e manter um programa de treinamento corporativo de qualidade não é uma tarefa simples, não é mesmo? Como você viu, é necessário muito conhecimento para evitar erros que venham a comprometer os resultados. Por essas e outras, muitas organizações optam por usar um parceiro especializado em educação corporativa para desenvolver e manter seu projeto. Essas empresas podem se responsabilizar por cuidar das questões de infraestrutura, desenvolvimento de soluções digitais e produção de conteúdo didático, bem como podem prestar consultorias completas sobre todas as etapas de implementação do programa. O ideal é optar por parceiros com experiência de sucesso comprovada, garantindo assim que a parceria vai, de fato, maximizar os retornos do investimento. Também é interessante procurar por empresas que contem com diferentes soluções tecnológicas, preferencialmente com a possibilidade de personalização. Isso permite que, mesmo com um parceiro, o programa seja exclusivo da empresa. Independentemente se seu time de T&D optar por usar uma empresa especializada ou não, é necessário criar e manter um bom programa de treinamento corporativo no negócio. Esse processo garante melhores resultados interno e externos, aumentando a produtividade e a satisfação dos funcionários, bem como a competitividade da organização perante o mercado. Agora que você já sabe como estruturar e acompanhar um programa de treinamento corporativo, o que acha de começar logo o seu? Que tal usar um parceiro para otimizar o processo? Entre em contato com a Telefônica Educação Digital, especialista no assunto, e dê o start no seu projeto!


Web Content Display Web Content Display