Publicador de conteúdo web Publicador de conteúdo web

Tendências

Publicador de conteúdo Publicador de conteúdo

Voltar

Andragogia: como ela pode impactar no treinamento corporativo?

Andragogia: como ela pode impactar no treinamento corporativo?

Dizem que ensinar é aprender em dobro. É provável que muitos profissionais da área da educação e capacitação já tenham usado uma variação dessa afirmativa. A frase valida seus argumentos sobre a riqueza do processo de aprendizagem compartilhado. Em se tratando da andragogia — a orientação do ensino de adultos —, ela é especialmente verdadeira.

Diferentemente do que acontece na pedagogia, voltada para a infância, aqui os instrutores se deparam com adultos cheios de experiências e conhecimentos prévios e, em alguns casos, mais preparados tecnicamente do que seus líderes em alguns temas. Nesse cenário, a troca de aprendizados acontece ganhando novos traços e desafios a serem vencidos.

Isso exige agilidade e aplicabilidade imediata do que está sendo tratado. Por isso, preparamos este post para explicar o que é a andragogia, priorizando o foco nos treinamentos corporativos. Ou seja, consideramos o processo de aprendizagem para profissionais e não apenas para adultos, como seu conceito amplo contempla.

Com isso, mostraremos seus princípios, conceitos e aplicações nas organizações. Veremos, também, como andragogia e tecnologia devem andar em sintonia para trazerem melhores resultados na capacitação de profissionais. Confira e veja como otimizá-la em seu negócio!

O que é andragogia?

A andragogia é uma metodologia de aprendizagem que leva em conta quem participa do processo é um adulto que já possui conhecimentos prévios e é capaz de contribuir para o planejamento da grade de conteúdo a ser trabalhada. Ou seja, diferentemente do modelo pragmático estabelecido por um professor para seus alunos no ensino médio, o adulto tem mais autonomia.

O adulto pode contribuir para a escolha dos temas abordados, bem como para a forma de serem ensinados. Também fica claro que a troca de conhecimentos entre aluno e instrutor tem um volume muito maior de conteúdo e variáveis comportamentais, como a disponibilidade para ensinar e a aceitação de aprender, independentemente das relações hierárquicas.

Os aspectos comportamentais e emocionais, inclusive, fizeram parte de um dos primeiros estudos relacionados à andragogia, conduzido por Malcolm Knowles. Segundo ele, os adultos têm melhor aproveitamento no aprendizado quando estudam em ambientes informais, confortáveis, flexíveis e até mesmo livres de julgamentos externos.

Isso acontece pois, em primeira instância, estar aprendendo pode ser relacionado à inferioridade intelectual. O ambiente corporativo naturalmente estimula competições por melhores cargos e promoções, então isso pode ser um fator de inibição e bloqueio ao que está sendo ensinado.

Outro fator relevante para a escolha de ambientes e métodos mais flexíveis, como plataformas de treinamento a distância, é que a inovação propriamente dita é um fator motivacional. Ela funciona como um aprendizado extra que permite que o profissional esteja atento às tendências tecnológicas.

Pedagogia Empresarial

Outro termo muito utilizado no mercado corporativo para a área de treinamento é a pedagogia empresarial. Ela, porém, tem uma abordagem mais relacionada aos desenvolvimentos comportamentais, como a criatividade, o trabalho em equipe, entre outros — conceitos que a andragogia também incorpora.

A diferença é que, embora esses comportamentos sejam importantes, nesse método os funcionários decidem em conjunto com seus gestores quais aprendizados devem ser priorizados, além de considerar quais efetivamente trarão efeitos no curto prazo. Seu fator de aplicabilidade imediata é muito importante.

Uma empresa que está em expansão de filiais, por exemplo, precisa que o trabalho em equipe seja um dos pilares do projeto. Portanto, esse aspecto terá ênfase nos treinamentos. Porém, se o foco é resgatar clientes que estão desistindo de seus contratos, a negociação de conflitos e os conhecimentos técnicos da área comercial talvez sejam temas mais convenientes.

Conheça os seis princípios da andragogia

Dentro da lógica de ensinar para adultos conhecendo suas necessidades e formas de abordagens mais efetivas, alguns princípios regem a concepção da estratégia de aprendizagem por meio da andragogia.

Aprendizado contínuo

No mundo corporativo, alguns profissionais tendem a se acomodar, principalmente aqueles que julgam ter grande conhecimento técnico e estarem consolidados no mercado. Porém, novas ferramentas, tecnologias, demandas e processos surgem a todo momento e é preciso que os profissionais acompanhem essas evoluções.

Para que estejam preparados para extrair o melhor delas em todas as situações, um dos princípios da andragogia é promover a importância do aprendizado contínuo, mostrando que ele é não somente necessário, mas também um diferencial para os profissionais que dedicam parte de suas rotinas para o aprimoramento de seus conhecimentos.

Experiência de aprendizado

Como dito anteriormente, existem emoções e comportamentos importantes que podem ajudar ou atrapalhar no processo de aprendizagem. Conhecendo o público-alvo dos treinamentos e buscando os melhores métodos de ensino, tais variáveis podem ser contornadas para ajudar na absorção do conhecimento. Além disso, o método expositivo do conhecimento também influenciará a experiência do aluno.

Um conteúdo prático será melhor assimilado com testes, estudos de casos e experimentações, por exemplo. Treinamentos específicos para liderança também serão melhor administrados se a composição dos participantes for essencialmente de gestores. Isso porque, ao lidar com dilemas da administração de recursos humanos, não haverá constrangimento de mencionar questões que poderiam desagradar membros do time gerido.

Autonomia do aluno

Considerando que adultos já possuem maturidade, é natural que conheçam algumas de suas limitações e fraquezas que precisam ser trabalhadas. Essa conscientização também pode ser proporcionada por feedbacks de gestores, coaching e mentores do negócio. Sabendo o ponto de partida para seu aprimoramento, o profissional precisa ter autonomia em seu aprendizado.

Nesse sentido, mais uma vez as plataformas de aprendizado digital permitem que a empresa disponibilize um leque de cursos, obrigatórios ou não, que poderão ser escolhidos pelo profissional a seu tempo e na ordem mais conveniente. Aliada a essa ferramenta, a proposta para treinamentos presenciais e até mesmo graduações externas também pode ser tratada com a autonomia oferecida.

Importância da aplicabilidade

O conteúdo proposto precisa ser aplicável e valioso para a rotina do profissional. Como são participantes que possuem conhecimentos e experiências em diversos campos da vida e do mercado de trabalho, o que for apresentado deve agregar valor e realmente melhorar seu desempenho naquele momento ou projeto.

Por isso, a importância de envolver o profissional na escolha de seus conteúdos e próximos treinamentos é significativa. Se ele consegue vislumbrar os desafios que está vivendo em sua atuação, pode dizer quais são as prioridades e urgências de aprendizagem. Ao ter contato com a teoria conveniente, logo encontrará sua aplicabilidade.

Envolvimento na aprendizagem

Para gerar engajamento de adultos no treinamento ou capacitação proposta, valorizar seu conhecimento e experiências prévias é fundamental, tanto para trabalhar o aspecto da autoestima e evitar bloqueios emocionais, como também por tal bagagem de conhecimento realmente contribuir para a realização do processo de aprimoramento técnico.

Analisando por esse aspecto, um treinamento ou capacitação nunca terá o mesmo resultado. As contribuições de seus participantes, a troca de conhecimento e o envolvimento com o conteúdo sempre produzirão cenários diferentes e enriquecedores se corretamente estimulados.

Motivação

Além de compreender as razões para aprender, o profissional também deve ser motivado para tal. Algumas empresas, por exemplo, determinam que seus profissionais aptos a receberem promoções salariais ou mudança de cargos precisam ter um volume de treinamentos realizados periodicamente, assim como ter boas avaliações de desempenho em cada um deles.

Tais medidas conectam o treinamento e o desenvolvimento às demais métricas do negócio e às particularidades de cada um dos profissionais, fazendo com que sua participação seja muito mais efetiva e proveitosa. Em outras palavras, os trabalhadores que devem fazer os treinamentos realizam e estudam seus conteúdos de forma motivada e engajada.

Isso ajuda na absorção do conteúdo e na aplicação de técnicas e conhecimentos mais atualizados na rotina da empresa. Como pode ser visto, os princípios da andragogia consideram alguns desafios comuns do ambiente de trabalho que a pedagogia não poderia suprir. Mas, quais são os outros aspectos que impedem que ela possa ser colocada a serviço das organizações?

Por que a pedagogia não é indicada para adultos?

É indiscutível que o cérebro de uma criança é estimulado e aprende de forma diferente dos adultos. Estes, além de já terem recebido influências de um ou mais métodos pedagógicos na infância, também podem ter desenvolvido maneiras específicas de aprender, diferentemente daqueles. A pedagogia trabalha essencialmente com mentes sem conceitos preestabelecidos ou conhecimentos avançados sobre algum tema.

Por isso, as crianças estão muito mais dispostas a incorporar todo aprendizado possível por meio de experimentações. É um processo de aprendizado gradual, que leva tempo. Durante a troca de conhecimentos de forma tradicional, os professores também aprendem a olhar situações e dilemas com mais simplicidade enquanto ensinam.

Porém, o motivo de não usar a pedagogia no aprendizado de adultos vai mais além. É possível apontar alguns fatores que impedem sua eficiência, como:

• a pedagogia é apropriada para alunos mais dependentes, que são guiados pela construção do conteúdo proposto pelo professor;

• a comunicação é feita de maneira receptiva e vertical e, salvo algumas abordagens mais modernas e pontuais, na maioria dos casos, é considerada um ensino passivo;

• o conteúdo não é específico nem necessariamente aplicável imediatamente. Isso significa que o professor ou entidade de ensino formula uma grade de conhecimento que é aplicada por determinado período.

A pedagogia determina de forma mais rígida quais são os conhecimentos tidos como pré-requisitos, assim como os que devem ser compreendidos na sequência. Ou seja, para aprender a somar, uma criança precisa saber a sequência numérica e, assim que dominar os dois conhecimentos, pode avançar para equações mais complexas.

Na andragogia, esse fluxo é personalizado e pode ser determinado pelo participante de forma independente ou com apoio de um setor ou mentor, considerando seus conhecimentos já existentes e o foco do desenvolvimento. No ambiente corporativo, essa diferença é ainda mais acentuada, pois o aprendizado é direcionado à aplicabilidade.

 

"O ensino para adultos tem um forte apelo para a aplicação no curto prazo e isso é natural"

Quais os diferenciais do ensino para adultos?

O ensino para adultos tem um forte apelo para a aplicação no curto prazo e isso é natural, considerando que já existe uma área de especialização em curso. Da mesma forma, considerando quais conhecimentos serão explorados, diversos formatos podem ser incorporados na aprendizagem, como:

• simuladores;

• testes;

• gamificação;

• cenários reais;

• treinamentos online e presenciais;

• cursos terceirizados;

• mentorias;

• coaching etc.

Como aprendente e instrutor podem, inclusive, terem a mesma idade, a troca de conhecimento e respeito profissional será muito mais evidente. A andragogia precisa considerar os fatores emocionais de cada profissional, como eles se sentem na relação de aprendizado com outros membros da empresa ou com instrutores terceirizados, por exemplo.

Se ele compreende que o desenvolvimento é valioso — um grande benefício que a empresa pode proporcionar —, demonstra um posicionamento muito mais participativo e construtivo relacionado aos treinamentos. Porém, se ele estiver fragilizado com seu momento na carreira profissional, poderá ter uma experiência totalmente diferente.

Pode acontecer de o colaborador considerar que tem um conhecimento inferior aos demais ou estar com seu emprego em risco. Em outras palavras, a forma de apresentar os treinamentos para os funcionários da empresa deve ser engajadora. A andragogia deve ser vista como um benefício para seus desenvolvimentos, não como um método de correção ou maneiras de condicionar suas ações.

Aliás, treinamentos personalizados e com foco nas vivências servem justamente como simulação de tomadas de decisão. Assim, os profissionais podem colocar em prática seus raciocínios lógicos frente às variáveis do mercado. Eles podem tanto estudar as consequências de uma ação como o que ela trará de positivo ou negativo para o negócio.

A forma como os profissionais em treinamento serão exigidos em seu processo de aprendizagem também é relevante, pois com o aumento da autonomia, também vem o crescimento sobre a responsabilidade com o resultado. Não é incomum, por exemplo, que alguns conteúdos exijam pesquisas, formulação de opiniões e novas ideias para o negócio, mesmo que a título de simulação.

Para gestores em níveis diretivos, os investimentos em graduações e MBAs também podem vir condicionadas à sua aplicação no negócio e, em alguns casos, à permanência na empresa por determinado período.

Qual é o impacto da andragogia na educação corporativa?

Considerando que os colaboradores e líderes de uma empresa são um de seus mais importantes diferenciais, adotar métodos para torná-los cada vez mais determinantes para o sucesso dos resultados e propiciar a troca de informações é primordial. Assim, adotar uma metodologia de ensino que realmente desenvolva as capacidades é necessário.

A andragogia deve contribuir para seu fator inovador, relações criativas e produtivas entre setores e muito mais.  Do ponto de vista financeiro, investir nesse método pode ser uma forma de minimizar custos como:

• falhas de execuções: isso acontece por desconhecimento do processo ou por dificuldade de compreensão das variáveis. Com um treinamento bem administrado e compreendido, a eficiência de sua aplicação na rotina da empresa é garantida;

• necessidade de repetição do conteúdo: se os funcionários e os líderes compreendem os cursos e validam as informações aprendidas, por isso, não é necessário arcar com custos de reciclagem do conhecimento com grande regularidade;

• turnover de funcionários: é sabido que talentos profissionais valorizam empresas que investem no aprendizado contínuo. Assim, apostar na andragogia é uma forma de criar mais valor para os treinamentos oferecidos e elevar o conceito da empresa junto aos seus funcionários.

Além disso, com treinamentos mais eficientes e personalizados de acordo com o público adulto, o aprimoramento de habilidades e o incentivo de novos talentos fica mais evidente. A empresa conseguirá explorar esse potencial em tomadas de decisão e oportunidades de negócio, por exemplo.

Como a andragogia auxilia no desenvolvimento humano?

Falando de talentos, é impossível não dar ênfase ao fator humano. Os elementos comportamentais, tão bem explorados pela pedagogia empresarial, também precisam receber atenção na andragogia. Isso porque as relações interpessoais estão presentes em todos os momentos vividos na organização, como no relacionamento entre setores, parceiros, fornecedores, líderes e clientes.

Por isso, os treinamentos não devem ter foco apenas nas técnicas e processos do negócio. Além disso, a entrada de novas tecnologias no processo produtivo e nas comunicações torna as relações humanas cada vez mais estratégicas. Saber como transmitir uma informação pessoalmente ou por e-mail, por exemplo, é essencial, mas muitos pecam nesse ponto por questões interpretativas e vícios de linguagem.

Quando a andragogia atribui a responsabilidade de escolher quais conhecimentos desenvolver para o profissional, ela também valoriza o aspecto humano do aprendizado, demonstrando que a empresa se preocupa com o que seus funcionários pensam e sentem a respeito de suas carreiras. 

Quais os resultados esperados de um treinamento com base em andragogia?

A andragogia também deve ser ensinada para aqueles profissionais e gestores que recebem novos funcionários e são responsáveis por seus treinamentos. É o caso dos líderes de setores, que em diversos momentos precisarão tratar e lidar com a substituição de um antigo membro na equipe ou mesmo com a expansão do setor, que demandará novas forças de trabalho.

Os líderes também precisarão tratar de conflitos entre diferentes tipos de habilidades e conhecimentos da equipe. Ele deve equilibrar as tensões e transformá-las em oportunidades. Assim, os mais experientes passam a ajudar os recém-contratados, evitando que os resultados sejam comprometidos.

Por fim, considerando que a andragogia permite criar um conteúdo e modelo de aprendizado personalizado para cada profissional, é esperado que seus resultados em termos de absorção e aplicabilidade sejam muito mais satisfatórios.

Como inserir o método na estratégia de treinamento da empresa?

Para inserir o método na estratégia de treinamento da empresa, um levantamento das necessidades e carências do calendário de desenvolvimento pode ser necessário. Além de adequá-lo ao plano atual, outras medidas também serão necessárias. Vejamos algumas!

Preparação do clima organizacional

Como dito anteriormente, o clima informal e descontraído pode trazer mais conforto para o aprendizado dos adultos. Porém, é preciso avaliar o conteúdo e as responsabilidades atreladas às suas aplicações para escolher o melhor modelo de transmissão de conhecimento.

Para um treinamento sobre segurança no trabalho em altura, por exemplo, não é aconselhável transmitir suas informações de forma descontraída, pois isso poderia sugerir que sua aplicação poderia ser igualmente descompromissada.

Outras mensagens também devem ser amplamente trabalhadas no ambiente corporativo, como a importância de receber feedbacks e aceitá-los, assim como de receber os indicativos para novos treinamentos como oportunidades de desenvolvimento.

Familiarização dos aprendizes

Com o clima bem trabalhado, o foco deve ser direcionado para os profissionais que receberão os treinamentos. Assim, enviar orientações de como os cursos serão ministrados, explicar sua metodologia e formas de avaliação é uma maneira de criar expectativas e motivação para o desenvolvimento.

Planejamento de ações

Dentro desse prospecto, o participante deve ser orientado sobre quais nuances podem ser alteradas no processo, de acordo com a sua opinião. Ele também precisa ser informado sobre quem ele deve procurar para propor as modificações nos conteúdos que serão tratados.

Mapeamento das necessidades

O processo deve manter uma parte mutável para a adaptação quando os treinamentos estiverem em curso, assim como ferramentas que indiquem que as modificações poderão trazer mais benefícios. Provas de proficiência e indicadores da área de RH para avaliação de performance individual são alguns exemplos.

Definição de objetivos

Seja pelo plano de carreira, pelas últimas avaliações de desempenho ou por metas determinadas pelo próprio profissional, os objetivos de desenvolvimento devem ser definidos para que o conjunto de cursos, instrutores e conteúdos sejam devidamente selecionados.

Escolha dos meios de aprendizagem

Alguns conteúdos demandam aulas presenciais, outros são melhor apresentados em um ambiente virtual. O formato de aprendizagem precisará levar em conta qual é o público, a importância do que será ministrado e quais são os recursos necessários para a validação do conhecimento.

Um treinamento para líderes, por exemplo, necessita de interação com outros gestores. Isso favorece a troca de conhecimento e a realização de estudos de casos, enquanto uma plataforma de ensino a distância é mais efetiva para aprendizados individuais e que demandem concentração.

Definição dos meios de avaliação do resultado

Definir a forma com que cada curso será avaliado é muito importante, assim como também é essencial ponderar sobre o método de escolha que o profissional levou em consideração para definir sua grade de conteúdos. Todo feedback e avaliação devem ser utilizados para as próximas fases de desenvolvimento profissional.

A escolha de uma empresa de treinamentos e plataformas de ensino também é uma forma eficiente de inserir o método na organização. Com a consultoria especializada, ela poderá contribuir desde o mapeamento das necessidades, até o apontamento das melhores soluções, sejam elas presenciais, sejam elas de ensino a distância.

A verdade é que, assim como os profissionais, as empresas também precisam estar em constante evolução para prover as melhores soluções para seus funcionários — uma delas é a andragogia. Sua aplicação garante um crescimento contínuo de todos e, como consequência, as equipes se tornam mais fortes e com alto desempenho.

Precisando incutir essa ideia de inovação na sua empresa? Compartilhe agora mesmo este conteúdo nas suas redes sociais e não deixe de marcar seus colegas de trabalho e gestores para que eles possam ter acesso às informações.

  • Andragogia


Sem comentários ainda. Seja o primeiro.

Publicador de conteúdo Publicador de conteúdo

Publicador de conteúdo web Publicador de conteúdo web